terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Sentimento ego.

Você pode ser dono de inúmeros defeitos, mas sou eu quem gosto deles e não lhe peço para que os mude. Você prefere ignorar a minha forma de amar, você não é nada do que gosto, e mesmo assim eu amo, amo quem sou quando estou com você, amo cada detalhe do seu corpo, amo a forma com que consegue me convencer a fugir com você. Amo ter asas e mesmo assim não voar com você. 

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Volta revolta

Eu ainda parada, naquela mesma árvore, com os mesmos poemas, com o mesmo amor carregado no peito, com a mesma dor e com as mesmas borboletas de antigamente. 
Quando chegará a minha vez de levantar, rasgar os versos, sentir outro amor carregado no peito e conhecer novas borboletas? 
Já peguei outro trem, mas algo sempre me leva a descer em sua estação. 

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Meu coração parou, mas continuo a respirar...



Breves pulsadas descompassadas, e um amor para lembrar... Sinto sede, frio, um abandono, estou sozinha, em meu leito. As flores que me trouxeram, dêem aos vivos, eles sentem... Eu já não mais!
Quantas vezes eu chorei e você disse que era feito birra de criança, mimada que não ganhou o brinquedo desejado, mas também supérfluo... Produtos substitutos e mais baratos sempre estarão disponíveis no mercado.
Coloquei então meu coração na vitrine da paixão, para quem quisesse comprar... Fim de mês e liquidação, ele levou, e não sei se quer o seu nome, mas ele comprou por vaidade.
Borboletas, vale a pena continuar? Só para voar?
   

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Borboletas reagem




Preciso de um lugar que me dê conforto e segurança, estive completa por muito tempo com tudo isso e mais um pouco quando estive em seus braços, mas você se esqueceu a teoria que citou, acabou por usar as pessoas ao invés das coisas. Quis você com todas as forças, mas você insiste em correr para o outro lado, agarrei, porque amei, abracei tão forte que me fiz em pedaços e você não os uniu, diz está sempre comigo e por mim, mas nas noites mais solitárias, não posso se quer ouvir a tua voz de longe.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Uma semana


Ele sumiu, não aparece mais desde 2011... Eu espero por um retorno desde então, mas eu também desapareci dele, e tenho os meus motivos. Então ele também deve ter os dele!
Realmente o tempo não volta, e eu já te perdi no tempo. 

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Três de novembro de dois mil e quatorze, mais um dia.

Cá estou eu criando asas e saindo mais uma vez de dentro de você, e torço para ter esquecido algo por aí, quando percebi de fato esqueci, e foi a minha felicidade. O tempo continua a ferver e por aqui dentro chove, peço para que Deus tenha piedade de mim e me envie água, para que então eu possa lavar toda essa sujeira que habita em mim. 

sábado, 1 de novembro de 2014

Eu e você

Eu e essa mania de jogar a minha felicidade no colo de qualquer um, mas fazer o que se tem dado tão certo?